STJD suspende John Textor por falar que Botafogo foi "roubado" contra o Palmeiras

O Supremo Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) decidiu suspender preventivamente por 30 dias o cartola John Textor, dono do Botafogo, por dizer que seu time foi “roubado” na derrota contra o Palmeiras, nesta quarta-feira, 1º.

Foto: Reprodução internet

Foto: Reprodução internet

O Supremo Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) decidiu suspender preventivamente por 30 dias o cartola John Textor, dono do Botafogo, por dizer que seu time foi “roubado” na derrota contra o Palmeiras, nesta quarta-feira, 1º. A decisão acata o pedido da Promotoria da Justiça Desportiva e é baseada no artigo 35 do CBJD, que fala em “suspensão preventiva quando a gravidade do ato ou fato infracional a justifique, ou em hipóteses excepcionais e fundada necessidade, desde que requerida pela Procuradoria”. Na ocasião, o presidente botafoguense reclamou do cartão vermelho aplicado ao zagueiro Adryelson após lance envolvendo o atacante Breno Lopes. “O mundo todo viu, isso não é cartão vermelho. Ele (Adryelson) pegou a bola primeiro. Não tenho certeza nem se foi falta. Mas não é cartão vermelho, ele mudou o jogo. Isso é corrupção, isso é roubo. Por favor, me multa, Ednaldo [presidente da CBF], mas você precisa renunciar amanhã de manhã. É isso que precisa acontecer”, disse, logo após o apito final.

Por causa da declaração, o presidente do STJD, José Perdiz alega que “não se pode admitir, assim, que a integridade de um dos maiores campeonatos de futebol do mundo, organizado por uma das maiores confederações de futebol do mundo, bem como a idoneidade dos seus partícipes permaneçam sendo questionadas sem qualquer mínima comprovação, sob pena de se invalidar toda uma competição, a qual, inclusive, é liderada pela agremiação representada pelos denunciados em destaque”. No despacho, o presidente José Perdiz informa “que são absolutamente verossímeis as alegações da Procuradoria diante das provas pré-constituídas, inclusive de vídeo, que demonstram, sem dificuldade, o suficiente para a formação de um juízo de probabilidade a respeito da pretensão punitiva”.

Pouco antes da decisão do Tribunal, o dono do Botafogo divulgou uma nota oficial em resposta à Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Textor afirmou sentir-se desafiado por pessoas “em posição de poder” e prometeu “botar fogo” no futebol brasileiro, em uma clara indireta à entidade. A CBF havia anunciado a intenção de processar o dirigente por causa de suas declarações após a derrota do Botafogo para o Palmeiras por 4 a 3 no Campeonato Brasileiro. O atrito entre Textor e a CBF teve início há duas semanas, quando o confronto entre Fortaleza e Botafogo foi adiado. O time carioca queria jogar contra o Fortaleza na terça-feira seguinte, alegando que seria beneficiado por enfrentar um rival com reservas. No entanto, a decisão da CBF de adiar a partida não foi bem recebida pelo Botafogo. A situação se agravou no jogo contra o Palmeiras, quando o Botafogo reclamou da expulsão de Adryelson e acabou sendo derrotado de virada. Apesar da crise, o Botafogo continua na liderança do Brasileirão, com 59 pontos, três a mais do que o Palmeiras. O próximo desafio da equipe será contra o Vasco, na segunda-feira, em São Januário.