Inca estima 120 novos casos de câncer em crianças e adolescentes em Alagoas

Mensalmente, associação realiza 233 atendimentos a crianças e adolescentes com a doença em Alagoas

Por Henrique Dias em 17/09/2022 às 18:48:04

No mês de conscientização sobre o câncer infantojuvenil, o Instituto Nacional de Câncer (Inca) lembra que o diagnóstico precoce da doença – principal causa de morte entre crianças e adolescentes no Brasil – pode salvar vidas. A Associação dos Pais e Amigos dos Leucêmicos de Alagoas (Apala) apoia a campanha Setembro Dourado.

O câncer infantojuvenil é considerado uma doença grave, mas quando diagnosticada precocemente, tem grandes chances de cura. Apesar de compreender apenas 3% de todos os tipos de câncer, é a primeira causa de morte na faixa etária de 0 a 19 anos. O Inca (Instituto Nacional de Câncer) estima 120 novos casos de câncer entre crianças e adolescentes em Alagoas entre 2020 e 2022.

Por mês, a Apala - referência na prestação de serviços de assistência e apoio a crianças e adolescentes com todos os tipos de câncer e adultos com leucemia - realiza 233 atendimentos de crianças e adolescentes com câncer. Ainda de acordo o Inca estimativa de casos de câncer infantojuvenil no Brasil para cada ano do triênio 2020/2022 está estimado em 8.460, sendo 4.310 para o sexo masculino e 4.150 para o sexo feminino.

im Silva Damásio, assistente social da Apala, afirma que o diagnóstico precoce do câncer aumenta as chances de cura, assim, é necessário conhecer os principais sintomas entre eles, palidez, hematomas ou sangramento, dor óssea, perda de peso inexplicada ou febre, tosse persistente ou falta de ar, sudorese noturna, caroços ou inchaços, especialmente se indolores e sem febre ou outros sinais de infecção. "E caso alguns destes sintomas apareçam faz necessário passar por atendimento médico na unidade mais próxima de sua residência para avaliação e posteriormente realização de exames específicos que colaboram no fechamento do diagnostico para inicio de tratamento", destaca.

A assistente social destaca que a Apala oferta suporte enquanto casa de apoio, atendendo crianças e adolescentes com todo o tipo de câncer e adultos com leucemia residentes nos 102 municípios do estado de Alagoas. "No tocante ao número de pacientes atendidos pela nossa instituição atualmente é cerca de 200 crianças e adolescentes em quimioterapia, manutenção e acompanhamento médico. Sendo 288 a média de atendimentos mensais com o público geral da instituição", disse.

Monique Angelis salienta que entre os benefícios ofertados pela instituição estão as orientações no que discerne ao tratamento, encaminhamentos para órgãos públicos para assegurar o direito a saúde (medicação e Tratamento Fora de Domicílio), bem como suporte institucional de suplementação, medicação, cesta básica e equipe multidisciplinar (psicóloga, pedagoga e serviço social), bem como setor operacional para entrega de materiais específicos da instituição.

Fonte: Gazetaweb

Comunicar erro

Comentários