30/07/2020 às 14h08min - Atualizada em 30/07/2020 às 14h08min

Palestina pode integrar esquema de fraude na pesagem de lixo

Redação
Equipes do MPE e Polícia Civil cumpriram mandados de busca e apreensão
Documentos apreendidos na terça-feira (28), na sede do Consórcio Intermunicipal para Gestão dos Resíduos Sólidos (CIGRES), na Zona Rural da cidade de Olivença, Sertão de Alagoas, podem comprovar a participação de várias autoridades, inclusive prefeitos alagoanos, no esquema criminoso de fraudes, combinação de preços e adulteração de documentação que pe investigado pelo Ministério Público Estadual (MPE).
 
Na terça-feira (28), equipes da Polícia Civil (PC), técnicos e três promotores de Justiça cumpriram mandados de busca e apreensão na CIGRES, cujo presidente é o prefeito de Olho d’Água das Flores, Carlos André Paes Barreto dos Anjos, o “Nem”, acusado de liderar o esquema milionário que tem se beneficiado com a fraude na pesagem do lixo urbano de 16 cidades sertanejas.

SAIBA MAIS   MPE chega mais perto da trama de fraudes que envolve prefetos do Sertão
 
No local foram apreendidas planilhas, folhas de pagamento e tikets de pesagem do lixo. Todo o material será analisado pela equipe técnica do MPE a fim de se confirmar as denúncias.
 
Os promotores de Justiça têm analisado, em separado, os convênios com cada cidade, entre elas Palestina, também no Sertão de Alagoas, administrado pela prefeita Eliane da Silva Lisboa, a “Lane Cabudo”. Embora nada ainda tenha sido provado, existem suspeitas que a quantidade de lixo recolhido em Palestina é menor do que o informado pelo Consórcio.
 

 
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »