"É possível fazer política falando a verdade", diz Bruno Covas após vitória na Prefeitura de São Paulo

O atual prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB) foi reeleito no segundo turno das eleições municipais neste domingo, 29, e teve 59,38% dos votos contra 40,62% de Guilherme Boulos (PSOL), seu adversário. Aos gritos de apoiadores que o chamavam de "prefeito do Brasil", o tucano fez seu discurso da vitória na sede do PSDB, na capital paulista, ao lado de seu filho, do governador do Estado de São Paulo, João Doria, e de líderes do partido. Covas ressaltou a campanha que ele e Guilherme Boulos fizeram, afirmou que o trabalho começa amanhã e que “é possível fazer política falando a verdade”. “São Paulo falou, São Paulo não quer divisões, São Paulo não quer o confronto. Meu avô [Mário Covas] dizia que é possível conciliar política e ética, política e honra, política e mudança. E eu, agora, acrescento: é possível fazer política sem ódio. É possível fazer política falando a verdade. Fizemos uma campanha limpa, falando da cidade de São Paulo, respeitando o eleitor. Eu sou filho e fruto da democracia, e por isso, respeito a decisão popular.”

O tucano reforçou que vai governar para todos, independente do lugar que estejam na capital e, mais uma vez, citou Boulos. “Respeito as instituições, respeito a diversidade que é a cidade de São Paulo. Essa imensidão de vários povos, de vários credos, de várias cores, gente do Brasil inteiro e do mundo inteiro que constroem e fazem a cidade de São Paulo. As urnas falaram, e agora começa o grande desafio de enfrentar essa crise que São Paulo, o Brasil e o mundo precisam encarar. Agradeço ao meu adversário, fizemos um bom combate. E queria me dirigir a todos aqueles que acreditaram nele e depositaram o voto de confiança: nós vamos governar para todos. A partir de amanhã, não existe distrito azul e distrito vermelho, existe a cidade de São Paulo.”

Covas ainda pediu "perdão" à sua família, a João Doria, a todos aqueles que o ajudaram e o apoiaram durante a campanha, para fazer uma exaltar seu vice, Ricardo Nunes, acusado de violência doméstica contra sua própria esposa. “Queria fazer uma homenagem e um agradecimento especial ao meu vice, Ricardo Nunes, que sofreu muito durante essa campanha. Mas esteja certo, Ricardo, que a partir de 1º de janeiro, nós vamos governar e nós vamos mostrar para São Paulo quem nós somos e qual é a nossa visão de mundo. Eu tenho certeza de que todo o sacrifício vai valer a pena pelo trabalho que nós vamos desenvolver, juntos, na Prefeitura de São Paulo. Muito obrigado, Ricardo”, afirmou o tucano.

Leia também

'Covas resgata compromisso histórico do PSDB', diz Geraldo Alckmin

Bruno Covas é reeleito prefeito da cidade de São Paulo

Eduardo Paes é eleito prefeito no Rio de Janeiro

“As eleições terminam hoje, não há espaço para divisões. São Paulo é para todos. Esse foi o nosso lema de campanha, e esse será o nosso jeito de governar”, completou Covas, ressaltando que esse é um momento de união e de diálogo e dizendo quais são seus objetivos a curto e a longo prazo, pelos próximos quatro anos. “O rumo está dado, nós temos que combater as desigualdades, nós temos que combater o coronavírus, nós temos que investir em saúde e em educação, e nós temos que fazer da nossa gestão um mantra na busca de emprego, emprego, emprego e oportunidades, em especial para os nossos jovens de periferia, que sofrem ainda mais as consequências dessa crise econômica e social. As urnas falaram, e a democracia está viva. São Paulo mostrou que restam poucos dias para o negacionismo e para o obscurantismo. São Paulo disse "sim" à democracia, São Paulo disse "sim" à ciência, São Paulo disse "sim" à moderação, São Paulo disse "sim" ao equilíbrio. Hoje é dia de celebrar a nossa vitória. A vitória do povo de São Paulo, e o trabalho começa amanhã”, finalizou o prefeito reeleito.