08/03/2021 (82) 98122-3473

Política

"Impeachment sem crime de responsabilidade é tumulto na democracia", avalia Van Hattem

Por Henrique Dias 19/01/2021 às 10:03:42

O candidato à Presidência da Câmara, deputado Marcel van Hattem, afirmou que, até agora, os pedidos de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro protocolados na Casa não tem crime de responsabilidade claramente definido. “É algo que o [Rodrigo] Maia tem dito e que o Novo tem avaliado. O impeachment é um processo que demanda crime claramente definido. Há fatos pretéritos que dão preocupação, como o uso da Abin para fins pessoais, o Novo requereu informações para entender melhor o assunto. Se não é apenas mais um tumulto na democracia e nas instituições, o que não é bem-vindo”, completa.

Em entrevista ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan, Van Hattem reiterou que, como candidato, pretende unir os deputados para andar em conjunto porque existem pautas importantes a serem avaliadas. “Precisamos começar a agilizar o que está parado na Câmara. Não temos problemas em elogiar quanto tem mérito ou criticar quando precisa. Já elogiamos a reforma da Previdência, mas não temos controle sobre tudo. Precisamos manter a fiscalização constante. As privatizações dos Correios, da Eletrobrás estão paradas.” O deputado pretende privatização o máximo de estatais possíveis e avançar na reforma tributária e administrativa para destravar a pauta econômica.

Defensor da votação presencial e secreta, o candidato ao pleito que acontece no dia 1º de fevereiro destacou que tudo o que foi prometido pela bancada do Novo na campanha de 2018 tem sido cumprido à risca. Ele alfinetou alguns concorrentes e disse que, “sem nem falar da questão criminal”, é preciso olhar o currículo dos candidatos para ver quem tem compromisso com o combate à corrupção. Entre as pautas polêmicas, ele citou o juiz de garantias e a lei do abuso de autoridade. “O presidente da Câmara é quem pode colocar a bola no meio do campo. Nós, deputados federais, somos o poder constituinte. Por isso queremos dar um basta nessa relação promiscua entre os poderes”, finaliza Van Hattem.

Fonte: Jovem Pan

Comunicar erro
Comentários