23/09/2021 (82) 98122-3473

Economia

Doze Estados sinalizam queda de casos e óbitos por Síndrome Respiratória Aguda Grave

Por Henrique Dias 28/07/2021 às 20:43:03
Por outro lado, todos os Estados contam com macrorregiões em nível de transmissão comunitária alta ou superior O Boletim InfoGripe relativo a semana de 18 a 24 de julho, divulgado hoje pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) mostra que o Acre é a única unidade federativa do Brasil a apresentar sinal forte de crescimento do número de casos e óbitos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG).

No Ceará, embora se observe sinal moderado de crescimento a curto prazo, os dados apontam para a estabilidade na tendência de longo prazo. Entre as demais unidades da Federação, 12 apresentam sinal de queda. Cerca de 99% dos casos de SRAG com identificação laboratorial de vírus respiratório se dão em decorrência da covid-19, segundo a Fiocruz.

Leia mais: SP antecipa vacinação de adultos e imuniza adolescentes a partir de 18 de agosto

Amazonas, Amapá, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Pará, Pernambuco, Paraná, Rio de Janeiro, Rondônia e Santa Catarina, além do Distrito Federal, registram indícios de estabilidade. O pesquisador Marcelo Gomes, coordenador do InfoGripe, alerta que, apesar desse cenário, os valores semanais continuam elevados, como apresentado pelo indicador de transmissão comunitária. Todos os Estados contam com macrorregiões em nível de transmissão comunitária alta ou superior, sendo que nove Estados e o Distrito Federal apresentam macrorregiões em nível extremamente elevado.

Leia mais: OMS vê risco de predomínio da variante delta no Brasil e região

Em nível nacional, os caso de SRAG têm sinal de queda na tendência de longo prazo (últimas seis semanas) e sinal de estabilidade na tendência de curto prazo (últimas três semanas). Todas as unidades contam com pelo menos uma macrorregião de saúde com nível de transmissão comunitária alto ou mais elevado. Dez das unidades registram uma macrorregião de saúde com transmissão comunitária em nível extremamente alto.

“O contexto evidencia a necessidade de manutenção de medidas de mitigação da transmissão. Em função disso, é fundamental manter cautela em relação a medidas de flexibilização das recomendações de distanciamento para redução da transmissão da covid-19 enquanto a tendência de queda não tiver sido mantida por tempo suficiente para que o número de novos casos atinja valores significativamente baixos, bem como a necessidade de reavaliação das flexibilizações já implementadas nos Estados com sinal de retomada do crescimento ou estabilização ainda em patamares elevados”, destaca Gomes.

Leia mais: Justiça nega pedidos de terceira dose de vacina contra covid-19

Apenas 7 das 27 capitais apresentam sinal de crescimento na tendência de longo prazo até a semana de 18 a 24 de julho: Florianópolis, Fortaleza, Goiânia, Porto Alegre, Porto Velho, Rio Branco e Rio de Janeiro. Em 14 capitais o sinal é de queda na tendência de longo prazo.

Porto Alegre e Rio Branco apresentam sinal forte de crescimento nas tendências de longo prazo. Florianópolis, Fortaleza, Goiânia, Porto Velho, Rio de Janeiro e Salvador apresentam sinal moderado de crescimento na tendência de longo prazo.

Seis capitais apresentam sinal de estabilização nas tendências de longo e curto prazo, indicando interrupção da tendência de queda ou manutenção de platô: Belo Horizonte, Plano Piloto de Brasília e arredores, Campo Grande, Macapá, Manaus e Vitória.

Segundo os indicadores de transmissão comunitária, todas as capitais encontram-se em macrorregiões de saúde com nível alto ou superior. Das 27 capitais, 8 integram macrorregiões de saúde em nível alto (Aracaju, Belém, Boa Vista, Cuiabá, Natal, Palmas, São Luís e Vitória), 11 em nível muito alto (Florianópolis, Fortaleza, João Pessoa, Maceió, Manaus, Porto Velho, Recife, Rio Branco, Rio de Janeiro, Salvador e Teresina) e 8 em nível extremamente alto (Belo Horizonte, Brasília, Campo Grande, Curitiba, Goiânia, Macapá, Porto Alegre e São Paulo).

Gomes ressalta que essa situação manterá o número de hospitalizações e óbitos em patamares altos, com tendência de agravamento nas próximas semanas, caso não haja nova mobilização por parte das autoridades e população locais.

Fonte: Valor Invest

Comunicar erro
Comentários